A nossa vida privada cotidiana está permeada por transformações digitais. Por exemplo, mandamos mensagens pelo WhatsApp e pagamos contas pela internet banking. Nas empresas, o impacto é semelhante, onde sistemas de comunicação intranet são cada vez mais comuns. Contudo, essa transformação tem atingido também outros campos, alcançando a gestão pública. É disso que se trata o governo 4.0. 

Essa é uma nova maneira de governar. Consiste em um novo fenômeno provocado por mudanças tecnológicas que tem trazido vários benefícios para o governo e seus cidadãos. Dentre as contribuições tecnológicas que interferem nesse contexto estão big data, block chain, digitalização e inteligência artificial. 

Quer ir mais a fundo nesse tema? Acompanhe este texto e descubra quais são as tecnologias que têm interferido no governo 4.0. Perceba ainda as vantagens dessas mudanças para a gestão pública. Confira!

As tecnologias que formam o governo 4.0

Conheça alguns do recursos disponíveis atualmente para otimizar a atuação governamental. Confira!

Inteligência artificial

A inteligência artificial consiste no processo em que a tecnologia desempenha a capacidade humana de resolver problemas complexos por meio de máquinas. No setor público a inteligência artificial tem grande impacto. Por exemplo, a utilização de algoritmos, por meio da coleta de dados, para ajudar a identificar alguns padrões de comportamento dos contribuintes. Isso auxilia, por exemplo, a evitar que pessoas mal-intencionadas realizem sonegação de impostos. 

Outro exemplo disso é utilizar um sistema para identificar mudanças bruscas na natureza, a fim de preservar o meio ambiente. Ou, ainda, um sistema que reconheça o rosto dos servidores públicos no momento em que eles vão registrar a entrada e saída do trabalho. A utilização da inteligência artificial pode fazer com que o sistema público fique mais eficiente e se torna cada vez mais antenado com as demandas da população e das cidades. 

Blockchain

Outra tecnologia que pode gerar impacto nos governos é o blockchain. Trata-se de um banco de dados permanente que reúne movimentações dentro do sistema do governo. Essa tecnologia tem autoreconhecimento nos mercados financeiros. Isso porque ela é capaz de criar uma infraestrutura para a elaboração de criptomoedas, como Bitcoin. Contudo, nos governos essa tecnologia pode ir muito além. 

Por exemplo, na Dinamarca, país que utilizou o blockchain pela primeira vez no mundo, foi possível registrar navios que passavam pelas águas daquele território. Antes da implementação do blockchain, o acompanhamento da entrada de navios era feita de maneira arcaica e muito insegura. Depois do uso dessa tecnologia foi possível melhorar o controle aduaneiro nos pontos dinamarqueses.

Digitalização

Algum tempo atrás, a ideia de armazenamento de arquivos estava atrelado ao conceito de depositar, guardar ou reunir informações e objetos em um espaço físico. No entanto, com a transformação digital que o mundo passou nos últimos anos, foi possível ampliar o sentido de armazenamento.

Isso porque esse conceito foi bastante transformado por uma nova tecnologia: a digitalização. Trata-se da conversão de dados ou documentos físicos em um suporte digital. Popularmente conhecida como scaneamento, a prática de digitalização permite que documentos já existentes sejam transformados em documentos digitais e outros arquivos podem ser surgir a partir do meio virtual. 

O processo de digitalização impacta bastante na gestão de documentos do governo. Por meio dela, o armazenamento digital se tornou uma estratégia e tem entrado nos planos de acervo de documentos para organizar e aumentar a vida útil dos documentos. Sendo assim, com o passar do tempo, é possível que os tradicionais arquivos, salas e armazéns onde se depositam determinados documentos podem ser substituídos por um arquivo digital.

Big data

Pode-se entender que big data é uma nuvem de informações trocadas diariamente na internet. Esses dados ficam disponíveis dentro de um sistema que pode ser acessado por qualquer pessoa ou por usuários restritos que tiverem acesso à senha e à internet. Essa característica do big data pode trazer ótimos benefícios para o setor público. 

Isso porque os governos constantemente enfrentam o desafio de gerir um grande volume de informações provenientes de diferentes órgãos e instituições, até mesmo nas redes sociais. Por meio do big data, é possível que as instituições governamentais consigam fazer a gestão e análise de grande volume de dados gerados diariamente pelos seus cidadãos e órgãos. 

No Brasil, é possível ter um exemplo bastante característico da eficiência do uso de big data. É o caso da declaração de imposto de renda de pessoa física online. Por meio de um sistema, o contribuinte pode acessar em qualquer lugar do país dentro do prazo previsto e cadastrar suas informações junto à Receita Federal. 

Vantagens do governo 4.0

Saiba quais os benefícios que a tecnologia pode trazer para os processos do governo. 

Menor burocracia

Muitas vezes, o cidadão deixa de exigir os seus direitos por conta da alta burocracia do sistema público. É comum o governo tradicional exigir vários documentos e o cidadão aguardar pela tramitação deles em diversos setores, o que acaba por atrasar o cumprimento de direitos. 

Entretanto, com o governo 4.0 isso é diferente, porque utilizando as suas tecnologias ele consegue ter uma interação mais simples com o cidadão, oferecendo serviços digitalizados que exigem menos etapas. O resultado são processos mais céleres e eficientes. 

Mais transparência

Quantas vezes você já não se cansou de aguardar uma informação de algum órgão público? Ou quantas vezes você não encontrou o que precisava? Essas questões são recorrentes no modo de governo tradicional. No entanto, com o governo 4.0, tudo fica mais transparente. Nessa nova forma de gestão pública, o cidadão pode acompanhar sua demanda em tempo real. Isso porque o sistemas e aplicativos de gestão permitem uma distribuição da informação mais eficiente e ao alcance do cidadão.

Redução de gastos

Já pensou como o governo 4.0 pode enxugar a máquina pública? A começar, por exemplo, pela quantidade de pessoas. Com a informatização de processos não vai ser preciso ter tanta gente para trabalhar. Afinal, os aplicativos e sistemas podem executar tarefas de maneira mais ágil, substituindo o trabalho humano. Sendo assim, no governo 4.0 há uma drástica redução do quadro de pessoal e consequentemente redução de gastos. 

Redução da papelada e aumento do espaço físico

As repartições públicas geralmente têm infindáveis prateleiras e grandes armários. Tudo isso para abrigar arquivos e caixas de documentos. Há órgãos públicos que não têm mais espaço físico para guardar material já criado. Com o governo 4.0, essa dinâmica muda. Por meio dos processos de digitalização é possível reduzir a papelada e aumentar o espaço físico, propiciando ambientes integrados. Como os documentos ficam localizados na nuvem, o hábito de engavetar documentos físicos acabou.

Mais engajamento do cidadão

Muitas vezes, o cidadão não participa da vida pública porque não se sente parte do processo. Com a nova forma de gestão do governo 4.0, é possível uma participação maior do cidadão, pois ele terá acesso ao sistema e poderá acompanhar quando quiser. Dessa forma, ele se sente mais engajado e consegue participar da vida pública. 

Essas foram algumas informações sobre o governo 4.0. Essa nova forma de atuação do serviço público com a ajuda da tecnologia é uma ótima maneira de melhorar os serviços para os cidadãos, diminuir os gastos, garantir mais eficiência e maior participação da população. Assim, esse modelo se torna mais que interessante, ele se faz indispensável nos dias de hoje.

Quer saber ainda mais sobre esse e outros assuntos? Então, aproveite a promoção de 1 mês grátis da GoRead e passe a acompanhar a revista EXAME para se manter sempre bem informado!