Hoje, as pessoas estão cada vez mais sendo submetidas a cargas de trabalho excessivas para alcançar suas metas e objetivos. Ao mesmo tempo, as empresas pressionam seus colaboradores em busca de resultados — juntos, esses dois fatores contribuem para que os funcionários desenvolvam doenças relacionadas ao psíquico, que vêm ganhando atenção por parte das pessoas.

Nesse contexto, entender o que é a síndrome de Burnout é essencial para identificar os sintomas e buscar pelo tratamento. Pensando nisso, neste post abordamos sobre a doença, quais são os seus sintomas e como é a prevenção e o tratamento. Boa leitura!

Entenda o que é a síndrome de Burnout

A palavra burnout é de origem inglesa e, entre outros significados, pode ser traduzida como “esgotamento”, aquele momento em que o indivíduo “chegou ao seu limite”. Engana-se quem pensa que a doença afeta apenas a parte psicológica do indivíduo — traz reflexos, também, para a parte física, uma vez que atividades cotidianas serão comprometidas pelos seus sintomas.

A síndrome de Burnout faz com que a pessoa sinta que todos os seus afazeres são muito cansativos, contribuindo para que os sintomas de estresse estejam presentes o tempo todo. Dessa forma, o trabalho a ser exercido será comprometido, ocasionará exaustão emocional, além de provocar danos para a vida pessoal, pois quem desenvolve esses sintomas não se sentirá motivado a participar de programas nos quais anteriormente se sentia satisfeito.

Entre os problemas enfrentados por quem passa pela doença, destacam-se sensação de que os obstáculos são insuperáveis e de não conseguir raciocinar para encontrar soluções para os desafios do dia a dia.

Conheça os sintomas da síndrome de Burnout

A seguir, selecionamos os principais sintomas apresentados por quem é acometido pela síndrome de Burnout. Veja.

Dores musculares e de cabeça

Os primeiros sintomas que podem ser percebidos pelo indivíduo com síndrome de Burnout estão relacionados a dores e condicionamentos físicos. Dores musculares e de cabeça são os principais, também percebidos naqueles indivíduos em que o estresse é constante.

Isolamento

O isolamento muitas vezes será notado a partir do momento que a pessoa se sinta incapaz de se desligar dos afazeres do trabalho. Estar em algum canto da casa checando o tempo todo e-mails, conferindo as planilhas do dia seguinte ou sentir a necessidade de trabalhar nos finais de semana, para cumprir com seus objetivos, são sinais aparentes.

Agressividade

Entre os sintomas dessa síndrome, a agressividade, nos afazeres do dia a dia, e a intolerância, contribuem para que as relações se tornem mais complicadas. Isso, inclusive, prejudica o clima organizacional positivo, pois problemas de fácil resolução ganharão grandes proporções. Aqui, qualquer situação será enxergada pelo indivíduo como algo preguiçoso ou tratada com sarcasmo.

Alterações no sono e no apetite

Inicialmente, o indivíduo também notará que não tem mais apetite e nem vontade de desfrutar dos alimentos que antes ofereciam boas sensações. Além disso, nas fases iniciais, a dificuldade de dormir a noite toda se torna constante. No entanto, com o desenvolvimento da doença, a insônia será persistente.

Ansiedade

A ansiedade está muito presente nas pessoas que desenvolvem o estresse. Para aqueles que têm síndrome de Burnout, não é diferente. Ocasionada especialmente pela má alimentação e noites de sono mal dormidas, a pessoa fica cansada, tensa e com nervosismo a todo momento.

Entenda como é o tratamento para a síndrome de Burnout

O tratamento para a síndrome de Burnout envolve alguns cuidados a serem tomados pelo indivíduo, especialmente com a busca de um profissional para esse acompanhamento. Entenda!

Procure por um psicólogo

Um profissional qualificado saberá quais as melhores práticas a serem adotadas no dia a dia, e conseguirá ajudar você a desenvolver o autoconhecimento. Essa última característica é essencial para conseguir tratar a síndrome, pois permitirá que a pessoa entenda quais são seus objetivos, metas e saiba até onde vai o seu limite, não investindo tanta energia em situações que são facilmente resolvidas.

Permite, ainda, definir objetivos a curto e a longo prazo. Uma promoção na carreira, por exemplo, pode ser estudada e desenvolvida de acordo com o contexto de suas funções. Alterar drasticamente o estilo de vida para alcançar esse objetivo vai contribuir para desenvolver esses problemas.

Faça exercícios físicos

A prática de exercícios físicos vai ser um fator essencial para o tratamento. Ela contribui para que a pessoa tenha noites de sono mais tranquila, aumenta a produtividade no trabalho — sem que isso seja um problema —, além de exigir uma alimentação mais adequada.

Adotar essas atividades no dia a dia também contribuirá para que o hormônio de estresse seja reduzido. Em consequência, diminui a ansiedade, o nervosismo, e desenvolve a autoconfiança, tão importante nesse processo.

Encontre equilíbrio

Encontrar equilíbrio é fundamental para que o desgaste emocional não comprometa as suas relações. Dessa forma, caso o ambiente de trabalho esteja muito sobrecarregado, busque em seus outros contextos algo que proporcionará prazer. Sair nos finais de semana com amigos e familiares pode ser uma boa pedida, além de descansar a cabeça em uma leitura agradável, filmes ou séries de sua preferência.

Dê uma pausa em seus afazeres

Por fim, caso sinta que está acometido por esses sintomas, é preciso dar uma pausa em seus afazeres. Verifique a possibilidade de tirar uns dias de folga ou, até mesmo, férias. Nesse período, viaje ou visite algum familiar que há muito não vê. Tente, ao máximo, esquecer das atividades que provocam o seu nervosismo para que o retorno seja tranquilo e mais harmônico.

Agora que você já sabe o que é síndrome de Burnout, conseguirá facilmente identificar os seus sinais para a busca pelo tratamento mais adequado. Caso essa atitude não seja tomada, os transtornos poderão se complicar, ocasionando dias ainda mais desgastantes, prejudicando suas relações pessoais, profissionais, além de abrir uma porta para a entrada e o desenvolvimento de outras doenças como a depressão, distúrbios gastrointestinais entre outros.

Portanto, se notar alguma mudança de comportamento em você ou em algum colega de trabalho/membro de sua família, não deixe que esses sintomas progridam e procure por um auxílio.

Gostou deste conteúdo e acredita que ele pode ser útil para seus amigos? Compartilhe em suas redes sociais!. Procure também ler mais sobre o assunto nas revistas digitais especializadas que você encontra na plataforma GoRead. Afinal, quanto antes essa doença for identificada, mais fácil será o seu tratamento.