Saber como prevenir Alzheimer é a preocupação de milhares de pessoas. Seja por terem casos da doença na família ou por já terem ouvido algo a respeito. O Mal de Alzheimer ainda assusta por ser uma doença silenciosa, de difícil diagnóstico e, ainda, sem cura.

Mas neste artigo, vamos falar um pouco sobre o que é essa doença, suas causas e o que pode ser feito para evitar, ou pelo menos retardar, seu aparecimento. Continue acompanhando e descubra mais sobre o assunto!

O que é o Mal de Alzheimer?

O Mal de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva. Isso significa que ela desencadeia a morte de células cerebrais sucessivamente. As áreas do cérebro responsáveis pelas ações que envolvem planejamento, atividades complexas e pelas memórias são geralmente as mais atingidas.

Ainda não se sabe ao certo como a doença é desencadeada. Mas a ciência já identificou duas lesões cerebrais características em pessoas afetadas: o depósito das proteínas beta-amiloide e tau e a redução das células nervosas (neurônios).

Segundo a Associação Brasileira de Alzheimer, estima-se que existam cerca de 1,2 milhões de casos da doença no Brasil e 35,6 milhões no mundo, a maioria ainda não diagnosticada.

A dificuldade no diagnóstico do Alzheimer se deve a dois fatores principais: o fato de apresentar sintomas muito semelhantes a outras doenças e a impossibilidade de exames precisos no cérebro de pacientes vivos.

Com o envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida mundial, os especialistas passaram a se preocupar não somente em encontrar uma cura, mas também em maneiras de prevenir e retroceder a doença.

Quais as causas da doença?

Assim como ainda não se sabe ao certo de que forma a doença age, suas causas também ainda são obscuras.

Acredita-se que fatores genéticos possam influenciar no desenvolvimento do Alzheimer. Alguns genes já foram, inclusive, identificados como possíveis fatores de riscos. Isso não significa que a doença seja transmitida por gerações, uma vez que apenas 1% dos casos apresentam hereditariedade.

Fatores externos relacionados ao estilo de vida e à negligência com a saúde ao longo da vida também são apontados como agravantes para o desenvolvimento do Alzheimer.

A pesquisa “Potencial de prevenção primária da doença de Alzheimer: uma análise de dados populacionais“, realizada pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra, identificou os seguintes agentes de risco: obesidade, tabagismo, sedentarismo, depressão, diabetes, hipertensão e baixos níveis de educação.

A boa notícia é que todos esses fatores são modificáveis, ou seja, a prevenção do Alzheimer é possível. Confira, abaixo, as ações recomendadas pelos especialistas.

Como prevenir Alzheimer?

Pode não ser garantido, ainda, que manter um estilo de vida saudável evitará o aparecimento do Mal de Alzheimer no futuro. Mas, além da prevenção, tomar as decisões certas com relação à sua mente e corpo trará muitos benefícios. Veja o que pode ser feito:

1. Exercite constantemente a mente

Manter a mente trabalhando reduz a probabilidade de desenvolvimento do Alzheimer. Quanto mais estímulos o cérebro recebe, mais conexões ele cria entre os neurônios. Isso deixa este órgão mais protegido aos efeitos da doença.

A manifestação dos sintomas em pessoas com alta atividade intelectual, por exemplo, é mais demorada porque exige uma perda maior de neurônios.

Portanto, realize atividades que requeiram organização, lógica e envolvam várias tarefas ao mesmo tempo. Segue algumas sugestões:

  • aprenda algo novo: um idioma, um instrumento musical, pintura etc.;
  • amplie seus conhecimentos: aprenda mais sobre algum assunto que já conhece ou atividade que pratica;
  • pratique jogos de estratégia e lógica: quebra-cabeças, palavras cruzadas, sudoku, jogos de tabuleiro, entre outros;
  • quebre a rotina: faça um caminho diferente, reorganize a decoração ou coma com a mão contrária.

2. Pratique atividades físicas

Como diz a famosa citação do poeta romano Juvenal — “Mens sana in corpore sano” (uma mente sã num corpo são), para prevenir o Alzheimer não basta cuidar da mente, é preciso exercitar o corpo também.

A prática regular de atividades físicas reduz em até 50% o risco de desenvolver a doença, segundo a Alzheimer’s Research and Prevention Foundation. A provável responsável por esse resultado é a neurotrofina, substância que auxilia na memória, liberada durante os exercícios.

Em geral, a indicação é de 30 minutos de atividades por, no mínimo, 3 dias por semana. Mas para quem está iniciando é recomendado começar aos poucos. Escolha uma atividade prazerosa e dê preferência às que envolvam:

  • aeróbica: uma caminhada moderada, natação, ou qualquer exercício que trabalhe o sistema cardiovascular;
  • musculação: a tendência é perder musculatura com o avanço da idade. Portanto, exercícios com peso moderado e alguma resistência são necessários;
  • coordenação e equilíbrio: trabalha corpo e mente ao mesmo tempo. Considere a ioga e o tai chi chuan.

3. Mantenha uma alimentação equilibrada

Como vimos no começo, a diabetes e a obesidade são fatores de risco para o Alzheimer. Isso, porque a resistência à insulina prejudica os neurônios e interfere no processamento de sinais pelo cérebro.

Manter uma alimentação saudável, de forma geral, evita diversos males e melhora a qualidade de vida. Porém, algumas dicas alimentares reforçam o exercício de prevenção do Alzheimer.

  • Reduza o açúcar: evite alimentos que gerem picos de glicose no corpo, como o açúcar refinado e a farinha branca. Eles podem causar inflamação no cérebro e a diabetes;
  • Adote a dieta mediterrânea: manter uma dieta rica em grãos integrais, oleaginosas, peixes de água fria, frutas, legumes e azeite de oliva ajuda a aumentar os níveis de Ômega 3 no organismo. Essa gordura reduz as placas de beta-amiloide, associadas ao Alzheimer;
  • Evite gordura trans: esse tipo de gordura é prejudicial ao organismo e ao cérebro, pois causa inflamações e acelera a produção de radicais livres. Ela está presente em alimentos fritos, fast-foods e industrializados.

4. Regule seu sono

Quando dormimos nosso cérebro continua trabalhando. É nessa hora que ele grava tudo o que foi aprendido durante o dia e elimina toxinas cerebrais.

Portanto, é fundamental ter uma boa noite de sono. Cada um tem sua necessidade, mas o indicado para uma pessoa adulta é de pelo menos 8 horas por noite. Se estiver com problemas para dormir, tente adotar algumas das ações abaixo:

  • determine um horário regular para dormir;
  • evite cochilos durante o dia;
  • crie um ritual para a hora de dormir;
  • acalme sua mente antes de deitar;
  • evite assistir à televisão ou usar aparelhos eletrônicos na cama.

5. Mantenha a vida social

Estudos indicam que a solidão é, sim, um fator de risco para a saúde. Baixa imunidade, depressão e elevação da pressão sanguínea são alguns dos efeitos físicos causados pelo isolamento social. Inclusive, os dois últimos foram apontados como agravantes para o Alzheimer.

A solidão na terceira idade é uma preocupação mundial. ONG’s britânicas chegaram a criar a Campaign to EndLonelinessa fim de alertar para os perigos que o isolamento representa para a saúde.

Por esse motivo, é extremamente importante sempre manter seus contatos sociais, fazer novos amigos e conversar com pessoas diferentes. Veja algumas ideias:

  • faça aulas em grupo (curso, academia, coral etc.);
  • conheça seus vizinhos;
  • saia de casa (vá a locais públicos, como shoppings, parques e museus);
  • utilize as redes sociais (mas não se limite a elas, o contato pessoal é imprescindível);
  • seja voluntário em uma ONG.

6. Controle o estresse

Ter uma vida estressante aumenta o risco de Alzheimer. O estresse causa o encolhimento da área responsável pela memória e diminui o crescimento de células nervosas. Por isso, utilize algumas ferramentas para gerenciar o estresse do dia a dia:

  • faça atividades relaxantes diariamente: passear com o cachorro, andar de bicicleta, qualquer coisa que traga bem-estar;
  • respire: a respiração profunda e correta é restauradora;
  • mantenha o senso de humor: dar risada alivia o estresse, não perca a capacidade de rir de si mesmo;
  • divirta-se: não deixe que o trabalho tome conta da sua vida, reserve tempo para se divertir sempre;
  • busque a paz interior: seja por meio da meditação, relaxamento ou alguma prática religiosa.

Agora que você conhece todas as dicas de como prevenir Alzheimer é só começar a praticá-las. Conservar a mente ativa e o corpo saudável ajudará a manter a doença longe, se não para sempre, pelo menos por muito mais tempo.

Achou o artigo interessante? Então, cadastre-se para receber nossa newsletter, gratuitamente, com outros conteúdos como este. Afinal, ler, adquirir novos conhecimentos e manter-se bem informado, também é uma maneira prevenir o Mal de Alzheimer.